segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Um relato

Cada um que ali passava não levava apenas uma ou duas sacolas com parcas peças de roupas, carregava consigo o pesado sentimento de dor. Se carregavam ou vestiam? Me pareceu que vestiam - a contragosto, é verdade, mas a dor não é um sentimento muito fácil de se levar.
A espera mandava avisar que se estenderia por toda tarde e além de tingir o luto da cor mais negra ainda se encarregaria de trazer a angústia e alimentar a dor.
Pessoas em volta se preocupavam com as leves sacolas e tentavam confortar o que não podia ser dividido. Eu pude sentir a dor que nem era minha e que ainda não foi. Mas eu ficava ali imaginando e, mesmo que de forma tênue, sentindo.
Pouco ou nada se podia fazer. Então, ofereci meu melhor abraço, minha silenciosa companhia e meu verdadeiro amor. Assim: simples e significativo.

Um comentário:

Lu Taddeo disse...

O que não é pouco!
Muita força, Did's.

Beijos