sábado, 11 de julho de 2009

Vik Muniz

O que curry em pó tem a ver com jujubas? O que espinhos de rosa têm a ver com fusíveis? O que bebês de plástico e besouros têm a ver com pêlos de gatos?
Com quantas coisas incongruentes, na lógica comum, a vida faz seus montinhos do dia-a-dia? Com quantas coisas aparentemente descombinadas se consegue chegar a uma obra de arte?


O texto mais legal das obras menos legais da exposição de Vik Muniz, em cartaz no MASP até dia 19 de julho.

Fiquei abismada com a exposição. Fiquei impressionada. Para mim, Vik é um gênio. Um artista plástico que faz uso da fotografia para "manter" suas inusitadas obras. Um artista que precisa da fotografia para exibir seus trabalhos vezes monstruosos, vezes minuciosos. Não sei nem dizer qual era a obra mais legal exposta, mas uma me deixou triste porque não conseguir "enxergar". Mesmo, como ele mesmo diz em um dos vídeos da mostra, me afastando da obra para me aproximar dela.

Por isso, hoje, o montinho do meu dia tem muitas imagens, diversas sensações e está maravilhado com o que viu.

3 comentários:

Dri disse...

Ai, Xará, você é o meu MAIOR orgulho. Naquele sábado em que o mundo caiu você teve coragem para sair de casa? Eu tiro meu chapéu!
(Continuo sem a chave do meu carro. Mau humor infinito!)

Jeanine Will disse...

Oi Didi,
eu fui ver no último dia e me odiei por não ter ido antes e repetido mil vezes. Adorei tudo, tudo! Mas a Medusa acho que foi a obra mais marcante. Acho que foi aquele olhar dela... que medo! ehehehe...
Um beijo,
Jean.

Menina com uma flor disse...

Jean, pra mim o pior foi não ter "enxergado" uma obra. E como fui sozinha não tinha nem com quem debater e ajusar a enxergar.
Mas também amei.
beijos