sábado, 30 de maio de 2009

Em busca do livro perdido - parte III

Então eu vou começar pelo Raduan Nassar. Sabe os motivos?
Na contracapa está escrito:
O que é Um copo de cólera?
É uma guerra entre sexos? É um discurso do marginalizado? É uma descrição de Narciso? É uma reflexão sobre o poder? É um confronto entre a força do corpo e o postiço das ideologias? É uma reflexão sobre as relações entre razão e emoção (paixões)? É uma história de amor?
Pode ser tudo isso e até mais, mas é sobretudo linguagem.
Além disso, a biografia dele (e escrita por ele) é uma das mais legais que já li na vida. Segue:
Paulista de Pindorama, moro em São Paulo desde a adolescência. Isto posto, acho que poderia passar por um sujeito sem biografia, pois minha vida tem se resumido à banalidade de un poucos desencontros. No colegial, depois de dois anos de científico, pulei pro clássico. Comecei o curso de Letras Clássicas, nos tempos da Rua Maria Antonia, mas logo desisti. Estudei Direito no Largo São Francisco, mas abandonei o curso no último ano. Cursei Filosofia na mesma Maria Antonia, e ia me iniciar na carreira universitária, mas piquei a mula em tempo. Trabalhei no comércio enquanto estudava, mas me mandei depois. Tentei me aventurar no estrangeiro, mas dei com os burros n'água. Dediquei uns bons aninhos ao jornalismo, e nunca mais voltei a uma redação.
Diante disso, caro leitor, e mesmo de outros desencontros não tão banais, seria ledo engano concluir que só fiz quebrar a cara na vida. Hoje, finalmente, estou perto de realizar o que mais queria ser quando criança: criador! Nada a ver, está claro, com a auto-suficiência exclusiva dos artistas (Deus os tenha!), que estou falando simplesmente em criador de bichos. É o que venho fazendo no Sítio Capaúva, a 250 km de São Paulo, onde tenho passado mais tempo que na Capital. Aliás, se já suspeitei uma vez, continuo agora mais desconfiado ainda de que não há criação artística ou literária que se compare a uma criação de galinhas.
Quem mais motivos??? Eu não precisei.

3 comentários:

Tati disse...

Tenho um presentinho - simples, simples - que trouxe de viagem pra você!
Beijos

Menina com uma flor disse...

Presentinho??? Eba! O importante é ter se alembrado de mim.
Quando nos vemos esta semana?
beijos

Jeanine Will disse...

O homem é fofo! Nunca tinha lido isso. Adorei!