domingo, 18 de janeiro de 2009

Sobre os livros de 2009

Ando com vontade louca de ler. Qualquer coisa que cair à mão está valendo. Este ano, já foram 4 livros e já estou pensando no próximo. Mas ando chata e crítica.
Esse ano, já foi:

Carmen - Uma biografia, Ruy Castro: achei longo demais. Tinha informação demais. Muita coisa, na minha opinião, poderia ter sido cortada. Para contar o restante da história, muitas vezes Ruy Castro se prendia demais em uma explicação acerca de alguém (ou um fato) e iam parágrafos e mais parágrafos sobre um fato que, de repente, você achava que tinha saído completamente da história. Depois ele ligava tuuudo aquilo à história que contava da vida de Carmem. Enfim, eu teria sido mais sucinta, mesmo porque o livro é um calhamaço. Acho que não ia perder nada em ser mais direto. Mais o mais legal são as muitas informações e curiosidades acerca de muitas coisas (e de tudo um pouco, pra ser exata e sincera) e que a gente aprende e fica sabendo.

Melancia, Marian Keyes: gostei. Não é uma uber literatura, mas é gostoso de passar o tempo. Do meio para o fim a história fica tão legal que a gente não quer largar por nada. Só um detalhe de erro na história. Não sei se a autora cortou a história e juntou duas partes que ficaram diametralmente contrárias e não reparou ou se foi erro mesmo na hora de escrever, só sei que em um capítulo X a irmã da personagem principal viaja para passar o final de semana fora e no próximo capítulo que é ainda sobre o final de semana lá está a irmã da personagem. Mas tudo bem. Não é o primeiro livro que vejo com um erro desse. Nem compromete tanto e provavelmente nem todo mundo perceba.

Romântico, sedutor e anarquista: Como e por que ler Jorge Amado hoje, Ana Maria Machado: didático. Bem rápido, fácil e gostoso de ler. Eu que nunca li Jorge Amado e como venho acalentando essa vontade há um tempo adorei esse presente de aniversário que me fez incentiva ainda mais. Senti falta apenas que Ana Maria Machado comentasse qual é (e se não apontasse mesmo, que ao menos indicasse) a característica da literatura dele que o faz ser tão facilmente adaptável à teledramaturgia. Ela toca no aspecto mais espinhado da literatura dele, que é a crítica sempre tão preconceituosa e taxativa, mas deixa de lado o amor e sucesso que seus personagens fizeram e fazem através seja de seus livros ou das adaptações tão famosas para a televisão. Pra mim, só faltou isso. Fiquei, claro, com mais vontade de ler. Mas tenho certeza que vou fazer isso com esse "livro-guia" ao lado.

Jorge Amado um baiano romântico e sensual: com depoimentos da mulher e dos filhos, Jorge Amado é desvendado como homem, amante, escritor, autor, pessoa, pai e amigo. Uma delícia de ler, ainda mais emendado com o livro anterior. Ambos, na verdade, foram ganhos juntos como presente de aniversário. Cada um de uma amiga e, claro, combinado. O "conjunto Jorge Amado" é uma delícia. E esse livro é uma gostosura. Por trazer ainda uma memória muito próxima e viva de Jorge Amado (o livro foi escrito pouco depois de sua morte) com depoimentos que trazem da história de amor entre Zélia e ele e do convívio com os filhos, as aventuras de Jorge ficam com gosto de lembrança familiar a quem lê. Parece conversa de tarde na casa dos avós que eles contam história das gerações anteriores que nem conhecemos, mas de ouvir e saber já nos sentimos parte.

Agora, quero ler Rubem Fonseca. Só ainda não decidi os títulos.

5 comentários:

Tati disse...

Sabia que você adoraria o Combo Jorge Amado! Eu também adorei, você sabe! Agora temos que passar para literatura DELE!
Beijos

Menina com uma flor disse...

Isso é fácil. Aqui em casa tenho uns bons pares de Jorge Amado.

Thiago Oliveira disse...

De onde essa mulher arruma tanto tempo pra ler, meu deus?

Aceita dica do Rubem Fonseca? Se contos, "Secreções, excreções e desatinos"; se romance, "Buffo & Spalanzani". Primeira linha!

Menina com uma flor disse...

Ah, Tolivas, vai dizer que não anda devorando umas letrinhas????
Claro que aceito as dicas. Aliás, agradeço. Pode deixar que lerei as indicações.
beijos

Thiago Oliveira disse...

Até leio um pouquinho, mas quatro em 20 dias (incluindo os calhamaços "Melancia" e Carmen"), benzadeus. Tá estraçalhando, guria.

Beijos!