quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Passeando em Sampa

Dizem que santo de casa não faz milagres. E é muito verdade. Há meses adio meu passeio ao MASP, antes mesmo do roubo das telas. E sigo adiando. Cada semana é uma coisa. Mas semana passada quebrei a ociosidade e fui passear. O local era a Avenida Paulista embora o MASP ainda não estivesse no roteiro.

Primeiro fui ao Itaú Cultural mesmo porque a exposição estava no fim e eu queria ver: Futuro do Presente. Gostei. Aliás, as exposições de lá eu quase sempre vou e sempre gosto. São sempre interativas, modernas, diferentes e que fazem sim pensar de uma outra forma, sobre muitas coisas. Saí de lá com o Jornal do Não Artista e ainda podia ter saído também com o Editorial do Gesto Simples, mas ia ser ruim de carregar, então não peguei.

Depois fui andando até a Fiesp ver a exposição Segall realista, que comemora os 50 anos de morte do artista e os 40 anos do Museu Lasar Segall. Ele tem muitas obras com colecionadores particular, creio que cerca de 50% do que estava exposto - o que me impressionou. Ele tem obras com traços cubistas, modernista e inspirado em Picasso. Tem quadros muito bonitos e outros nem tanto, pelo menos na minha leiga opinião. Me impressionei com as esculturas, que são lindas e parecem que dão vida aos seus quadros, pois, pelo menos as que estão expostas lá, eram figuras que estavam em algum quadro. Já os desenhos eram claramente estudos para futuras obras.

O passeio de sexta terminou aí, mas eu simplesmente adorei. A tarde passou e o que vi foram obras que me fizeram pensar, olhar, analisar e admirar.

Hoje foi a vez do Museu da Língua Portuguesa com a exposição Gilberto Freyre. Fui com a Paula e visitei partes do museu que ainda não tinha visto como a praça e o beco das palavras. Acho que o passeio lá sempre vale a pena. Já fui lá algumas vezes e ainda pretendo voltar muitas mais porque as exposições itinerantes são sempre muito instigantes.

Ainda tem outros passeios que quero fazer. Na Pinacoteca tem uma exposição com quadros da Tarsila do Amaral, inclusive o famoso Abaporu e Os Satyros estão com a peça Vestido de Noiva no Itaú Cultural, a partir de amanhã. Então, programas em Sampa é o que não faltam. Às vezes, o que me falta é pique.

2 comentários:

Paula disse...

Didi, eu adorei o nosso passeio!!! Muito obrigada pela companhia!

Te liguei no sábado pra ver se a gente arrumava alguma coisa, mas não consegui falar com você... vê se não demora a vir a BH, viu!

Beijo!

Menina com uma flor disse...

Ah Paula, meu sábado acabou sendo bem corrido. Tinha um aniversário e de dia acabei fazendo umas coisas com a minha mãe e irmã, por isso que sumi.
Mas quero ir logo pra BH sim, aí a gente marca de se ver.
Beijos